Elas por Elas

Grávida aos 17 anos…

20 de janeiro de 2016

por Observadora

Mariana Moraes

(Mariana à espera de Carol)

A adolescência é uma etapa de transição entre o ser criança para o ser adulto. Nós adolescentes começamos a adquirir responsabilidades antes deixadas de lado. É nessa fase que plantamos o que vamos colher futuramente (já dizia meus pais!) Mas nem tudo sai como planejamos. E é assim que eu conto um pouco sobre a maior responsabilidade que eu já tive em 17 anos de vida… Minha gravidez na adolescência.

Nos primeiros dias depois da inesperada descoberta minha cabeça ficou a mil, foi uma turbulência de sentimentos que tomaram conta de mim, queria contar para os meus pais pessoalmente mas eu não morava na mesma cidade que eles e só consegui contar pra minha mãe três dias depois. Até lá eu senti muito medo, medo da reação dos meus pais, medo de como seria mais pra frente e de não saber nada sobre o mundo materno.

Lembro que no mesmo dia que a ultrassom confirmou a gravidez (de seis semanas!) depois de chorar litros e litros resolvi acalmar meu coração. Vi que não adiantava lamentar, minha realidade agora era essa e eu queria encarar ela com todas as minhas forças. Recorri a Deus e pedi pra que ele ficasse do meu lado pra me amparar e conseguir pensar nas minhas atitudes desse dia a diante.Como eu morava sozinha não tive colo de imediato, meu namorado morava em outra cidade e eu não queria que a notícia se espalhasse sem ter a orientação dos meus pais, selecionei 2 amigos de muita confiança (acredito que enviados por Deus!) e dei a notícia. Eu poderia ter guardado só pra mim até chegar o dia de contar pra minha mãe mas isso é impossível, eu queria qualquer tipo de ajuda e sabia que eu podia confiar muito nos dois!

A notícia foi dada para os meus pais, e não consigo descrever o quanto sou grata a eles pelo apoio, a orientação e a ajuda que me dão desde sempre, sabia que podia contar com eles porque isso era sempre falado, mas confesso que fiquei triste por ter os decepcionado. Depois que ganhei o apoio deles fiquei muito mais tranquila, devo toda essa tranquilidade e minha vontade de ser mãe a eles que me ajudam de todas as formas… Fisicamente, mentalmente, espiritualmente e financeiramente. Durante os 9 meses de gravidez recebi muito apoio de todos os meus amigos. A gravidez na adolescência não é um bicho de sete cabeças que vai acabar com a vida da mulher, estou gerando uma outra vida e isso é completamente mágico, só depende da maneira que eu vou ver a situação.

Tenho a consciência que pulei uma etapa da minha vida e que as coisas para mim vão ser mais difíceis, mas como diz o Papa Francisco: “…Com as coisas que vão nos acontecendo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas siga a diante” e quer motivo maior do que seguir adiante por amor? Não gosto quando sentem pena de mim como se eu não fosse dar conta do recado. Não gosto de ouvir “tadinha, tão novinha…”. Sou nova, mas sou mãe e como uma grande amiga me disse uma vez:” Depois que nós tornamos mãe viramos leoas!”.

Gostaria de tranquilizar todas as meninas que passam pelo mesmo que eu passei mostrando que só depende da forma que vão enfrentar a gestação, é uma consequência de nossos atos. Encarando da melhor forma possível, pensando no futuro, no amor e na responsabilidade que é ter um filho tudo fica mais “fácil” tanto para mãe quanto pro bebê. Sentir medo e insegurança é normal, mas isso qualquer mãe de primeira viagem, seja ela jovem ou não, sente. O apoio dos pais e da família é essencial pra você ter um norte e conseguir ajustar sua nova vida e começar a correr atrás da sua independência financeira.

Ser mãe adolescente não significa que os sonhos acabaram e que é impossível ter sucesso profissional porque não é! Tudo vai ficar mais complicado, mas se houver interesse e perseverança madrugada vira dia, basta correr atrás porque agora temos um ser que depende muito de nós! Apoio é sempre bom, seja de alguém da família, de algum amigo, namorado ou de alguém que já tenha passado pela mesma experiência de ser mãe jovem! Gravidez é um momento único e devemos curtir esse momento da maneira mais cuidadosa possível, passando pro bebê confiança e principalmente muito amor, e quando a questão é distribuir amor… Não tem idade!! Estou muito feliz e extremamente ansiosa com a chegada da Carolina, quero me dedicar a ela como a minha mãe se dedicou a mim, quero sentir o amor mais puro e verdadeiro que é o amor de mãe!

 

Mariana Moraes mora em Minas Gerais, é estudante, filha da Thaise Moraes, também mãe na adolescência, e já deu à luz sua pequena Carol.

Imagens: reprodução

Observe mais: Desconstruir a maternidade romântica é nosso papel

 

Siga o OF no Twitter e no Instagram e curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Uma mulher de fé
Por que me tornei feminista
Você não é mãe dele

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino