Elas por Elas

Coragem e Fé

18 de abril de 2013

por Observadora

Imagem: Reprodução

Com a obesidade, não usava saltos, a minha auto estima era inexistente, sentia muitas dores nas pernas e principalmente no joelho. Estava quase diabética aos 32 anos de idade. Não conseguia fazer uma caminhada curta que tudo, mesmo que exigisse um esforço mínimo, me cansava. A obesidade estava acabando comigo, me deformando, me paralisando e o pior, me excluindo do convívio com outras pessoas. O processo de depressão, ainda que inicial, desperta sem que a pessoa sinta. Você come para compensar o sofrimento de ser gordo e porque comeu sofre as consequências da comilança e se deprime.

Foi exatamente quando cheguei neste ponto que minha mente começou a mudar. Acredito que ela deve mudar antes mesmo da cirurgia, como foi. Começava a busca pela minha qualidade de vida. Fiz pesquisas sem fim sobre a cirurgia, depois de ter tentado as inúmeras vias possíveis para o alcance do emagrecimento – todas sem êxito.

Mesmo sem apoio da minha família e de amigos, decidi, num ato de coragem e fé, que iria alcançar o meu tão sonhado bem-estar de corpo e alma. Marquei a cirurgia e foi o mais correto que fiz, o melhor. E dessa vez, por conta própria.

Hoje, com menos 27kg, me sinto livre, abraçada pelo mundo, feliz plenamente e, mais que tudo, agradecida a Deus pela nova chance de viver.

Antes X Depois

Não vou mentir. É uma busca incansável e muito solitária. Por mais que te apoiem e demonstrem o gosto pela mudança, só depende da gente. Passei a ser vista como a diferente! Vou à academia todos os dias, logo após o trabalho. Só vejo meus amigos e familiares nos finais de semana, porque durante a semana só tem EU na minha agenda. E isso é difícil de levar. Chamar para tomar um chopp é o que mais tem, mas para fazer uma atividade….quanta diferença!

A reeducação alimentar se torna natural com a mente preparada. Hoje almoço e janto no máximo 130g em cada refeição. Alimentação é a cada 3 horas. E você começa a pensar, já que cabe pouco, tenho que proteger meu corpo, deixa-lo bem disposto, então você passa a priorizar a qualidade dos alimentos e das suas refeições.

Não perdi só peso e medidas, mas deixei pra trás um fardo de frustrações que a obesidade injetou em minha vida. Posso dizer com toda convicção que sou muito feliz e, mais que isso, que aprendi a viver de forma plena. Danço, pratico novos esportes, saio, aprecio uma bela paisagem, etc. Não existem problemas quando se quer vencer!

 

 

 

 

Fernanda Negrões,

Sócia fundadora do Negrões & Saraiva advogados associados.

Leia também:

'Aos 18 anos soube que fui concebida a partir de um estupro'
'Quando ele morreu, passei algum tempo fora de mim, como se estivesse morta também'
'O agressor te convence de que você seria uma burra se fosse embora'

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino