Elas por Elas

Envelhecer tem dessas coisas

3 de abril de 2017

por Observadora

 

senior woman driving car

 

Sempre ouvi dizer que a terceira idade era a melhor idade, quando a gente tem mais experiência, sapiência e tempo livre para viver do jeitinho que bem entender. Só que o tempo passa e a gente descobre de uma maneira dura  que não é bem assim. Ela vem com uma bagagem nem sempre boa e mesclada de doenças e problemas acumulados com o passar do tempo.

Decididamente, não é nada fácil envelhecer, principalmente para a mulher. Todo dia é uma descoberta. A gente se olha no espelho e descobre uma nova ruga, o corpo mostra suas mudanças e as gorduras mal localizadas.  Engordamos e a flacidez aparece como uma inimiga atroz. Não é uma descoberta tipo a que se tem na juventude, cheia de encantamento. Ela vem como uma avalanche, levando a beleza e o frescor dos anos. Outro dia, ouvi alguém falando em um produto de beleza apropriado para a pele com aspecto de papel crepom. Nossa! Papel crepom? Até isso? Pois é, nossa pele realmente fica ressecada e com esse aspecto. Não bastam os sinais, as marcas senis?

Aí você se olha no espelho atentamente e percebe que os seios caem, a bunda cai e com eles a autoestima se vai. Talvez por isso, muitas mulheres fiquem deprimidas por não saberem lidar com essas mudanças drásticas. No rosto, as pálpebras caem, surgem os pés de galinha, o bigode chinês; nas mãos as marcas senis e as veias salientes; nas pernas as varizes e a celulite. A barriga, antes tão sequinha, aumentou. Assim como o número do seu manequim e as complicações com a saúde. Dificilmente alguém que está nessa fase não as tem. É a pressão alta, o colesterol alto, a diabete, a menopausa, as dores na coluna e nas pernas. É a insônia atrapalhando o seu sono à noite, enquanto durante o dia bate aquela vontade de não sair da cama. É o sinal de que o tempo está passando mais depressa do que você gostaria. Cada uma traz consigo um histórico que nada tem de agradável, mas não dá para se rebelar contra o tempo. É a vida, todos passam por isso, até os homens, mas em proporções bem menores.

É, essa é a terceira idade. É o peso dos anos, a passagem do tempo. E já que nem sempre se tem grana para levantar o que caiu,  o jeito  é aceitar que estamos mesmo envelhecendo e tentar encarar essas mudanças com humor. Dói menos.

Resta-nos tentar driblar o tempo e aproveitar a vida sem muitas cobranças, sem cobrar tanto do espelho, pois ele só reflete tudo o que você já viveu.

Josilene Corrêa é jornalista

Leia também:

A Força da Mulher
Ilustrações para refletir sobre os padrões impostos às mulheres
"Coitado do homem que casar com você"

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino