Elas por Elas

Minha mãe não é a melhor do mundo. Mas a sua também não é…

14 de maio de 2017

por Talita Corrêa

Eu não sei onde aconteceu essa minuciosa apuração mundial de melhores mães do mundo que vocês mencionam.
Minha mãe certamente não compareceu.
Ela não sabe do que se tratam as modalidades da competição mundial de melhor mãe do mundo, mas sabe que perderia em quase todas as provas… De lavagem.
Mainha já viajou de avião com tanto medo que precisou segurar a mão firme da filha de 4 anos para seguir. Mainha já me desencorajou quando precisei de coragem e já perdeu a paciência com uma colher de pau apontada pra mim. Mainha não entendeu todos os meus recados da adolescência, mainha insistiu naquela vitamina de abacate gosmenta, mainha chorou quando aquilo despedaçou meu coração. Sim, mainha fez escolhas boas e escolhas ruins.

No meio dos afazeres da minha vida adulta, consigo entender cada uma de suas faltas e abraçar cada um dos seus deslizes. Tenho uma vontade estranha de voltar no tempo, me apresentar como sua amiga e ajudá-la na barra que foi criar a mim e a meu irmão. Fomos trocas de colo e hoje somos trocas de ombro. Um dia, se a vida permitir, seremos trocas de mãos.

Antes, agora e depois , sei que ela não foi, não é e não será perfeita. Que antes de ser minha, ela é dela. Tem seus sonhos, suas músicas, seus gostos, seus ídolos, seus medos.

Descobrir minha mãe humana no lugar da mãe heroína é libertador. Permite uma espécie de análise gratuita da minha própria vida e um entendimento mais honesto do que é nossa família. Isso, só a maturidade dá.

Só a maturidade me dá a gratidão que hoje tenho por ter nascido filha dela.
Dela, estabanada. Que perderia nas provas de tiro ao alvo de melhor mãe do mundo.

Dela, avessa à pressão. Que perderia na prova de natação de melhores mães do mundo.

Dela, que não gosta de barulho, de correria e de multidão. Que não gosta de briga, de ameaça, de competição. Que perderia em todas as provas de todas as competições de todas as melhores mães do mundo.

Mas ela. Que faz aquelas panquecas e sobremesas perfeitas. Que me ensinou a pregar canutilhos e botões. Que até hoje abandona tudo pra me dar uma carona quando meu carro dá pau. Que adora bicho, que adora gente, que adora palavras, que detesta viajar. Ela. Que ri menina e aconselha senhora. Que apazigua e consola. Que aprende coisas novas. Que se doa, que sempre foi leoa, que nunca me deixou só.

Mainha é uma mulher na sua melhor versão . Na competição dela com ela mesma, dela com a vida braba, dela com seus desafios, ela foi de longe a melhor atleta. Absoluta. Inigualável. Quase um mito. A melhor mãe do mundo na competição de melhor mãe do mundo em que ninguém mais se inscreveu… Ela.. Eu… Meu irmão, saímos todos os anos com aquele troféu clichê de amor gigante. Somos grandes . Vencedores . Campeões”.

 

❤️ A melhor mãe do mundo é a minha e também é a sua.

Leia também:

Sou feliz, trabalho de tênis!
Fios de Cabelo
''Mulheres, leiam a bula dos anticoncepcionais!''

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino