Elas por Elas

O que é felicidade para você?

17 de fevereiro de 2014

por Observadora

Felicidade é um sentimento próprio de cada um, pois nem tudo que me faz feliz, pode fazer outra pessoa feliz. Mas a esmagadora maioria compartilha a ideia de que felicidade é ter saúde, amor e dinheiro suficiente para realizar sonhos. Ser feliz é, antes de tudo, um estado da alma como paz e alegria. É um jeito de viver, não é o que as pessoas têm, mas o que fazem com isso. Conheço tantas pessoas ricas, mas infelizes…

De acordo com a psicóloga e antropóloga americana Susan Andrews, é possível aprender a ser feliz. E não é primordial para isso, o fator econômico. Bens materiais ajudam, mas não se sobrepõem ao bem-estar psicológico, saúde, vitalidade, harmonia familiar, companheirismo, amor e uma vida significativa.

As pessoas que se sentem felizes são sociáveis, possuem fortes laços afetivos e têm algum tipo de crença, doutrina, princípios fortes ou fé religiosa. Quem é feliz tem em média mais nove anos de vida, tem imunidade alta e trabalha mais, porque se sente feliz trabalhando. Não é à toa, que empresas estrangeiras começam a despertar para esse fato: sentir-se feliz é um estado de espírito que influencia na saúde do corpo e mente e na vida familiar e profissional.

Quando um funcionário está de bem com a vida – feliz – trabalha mais, produz mais. Assim, seria bom, muito bom, que as empresas ficassem atentas para isso e oferecessem mais estímulos e um ótimo ambiente de trabalho para que os seus funcionários se sintam satisfeitos e, consequentemente, sejam mais dedicados e rendam mais profissionalmente.

Para muitos, ela não existe, para outros são momentos de alegria temporários. A verdade é que cada um tem sua própria definição do que é felicidade. Mas você sabia que se pode aprender a ser feliz? Preste atenção em algumas dicas para conseguir a tão desejada felicidade.

Que tal começar acordando cedo, praticando alguma atividade física, ou, simplesmente, dar uma caminhada e admirar a natureza? A paisagem de uma praia seria ideal, mas existem parques que também podem nos dar o mesmo resultado: uma satisfação de bem-estar. Um ânimo para começar o dia!

Seja gentil com as pessoas. Isso faz com que outras pessoas também sejam gentis com você e esse ciclo gera uma convivência harmoniosa. Tenha mais amigos, eles são parceiros e levantam nosso astral. Para você se sentir feliz, 50% é força de vontade, a outra metade é uma mistura entre genética e a harmonia do ambiente em que se vive.

Saber equilibrar as expectativas associadas à realidade, também é um bom caminho. Sem falar que ser otimista ajuda a ser mais pleno e feliz. Ter uma visão positiva nos faz ver a vida de outra maneira, não tão dura quanto parece. Viajar, viver experiências trazem prazer e felicidade. Trabalhar com algo que se gosta também. E mais uma vez me deparo com o fato que há muito comprovei: adotar um animal de estimação torna as pessoas mais felizes. Eles são uma fonte poderosa de estabilidade emocional e social. E as pessoas que os têm, são mais extrovertidas e têm autoestima elevada.

No mais, é procurar estar ao lado de pessoas queridas, procurar não guardar raiva e não se lembrar disso, pois cada cinco minutos que se lembra de um momento assim, a imunidade baixa por seis horas. Além disso, pessoas que sentem muita raiva, possuem 40 vezes mais cortizol, que é o hormônio do stress. Um bom exercício para baixar o excesso desse hormônio pelo dia todo é fazer dez minutos de respiração feita pelo diafragma. Depois é só curtir o resultado e ser feliz!

As dicas foram dadas. Não são tão simples assim, mas vale a pena o esforço para ser feliz. Não acha?

 

 

Josilene Corrêa tem 57 anos, é jornalista e também escreveu para o OF os artigos “Ei, depressão, dá licença que eu vou passar“,  “Quando nossos pais envelhecem“, “Quando nossos filhos crescem“ e “Quem tem o mínimo de sensibilidade, se comove com o olhar triste e carente de um cão ou gato de rua“

 

Imagem: reprodução

Siga @ObsFeminino  no Twitter e curta a fanpage do Observatório Feminino no Facebook

Esta página é feita por e para observadores.

Para opinar sobre esse e outros textos ou contribuir com o conteúdo do OF, mande um email para of@observatoriofeminino.blog.br

Leia também:

"Sim, EU ESCOLHI a cesárea para receber meu filho!"
Pai e filha, um amor tão profundo que nem a morte é capaz de apagar
"Coitado do homem que casar com você"

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino