Elas por Elas

‘O que ela não imaginava é que o marido se tornaria um obsessivo por limpeza de marca maior’

17 de maio de 2014

por Observadora

Gisele casou aos vinte e poucos anos. Ela fez vários planos de como seria a vida de casada com Pedro. Imaginava como seria a casa nova toda decorada. Pensava até em quantos e como seriam os filhos…

O casamento foi de colocar inveja em muitas princesas. Tudo tão lindo! Vestido estilo bolo de noiva, buquê com muitas flores bonitas (não me perguntem nomes de flores, pois eu nunca sei) maquiagem e cabelo impecáveis e a decoração da igreja era uma coisa de louco!

Passada a alegria da festa e da lua de mel, o novo casal da praça começou a viver a realidade de um casamento: o marido era super mimado pela mãe, o que significa que até o bife a mamãe cortava para ele, ou seja, ele queria transferir “os cuidados” da mami pelos da esposa! Não preciso nem dizer que aquilo deixava Gisele cada vez mais irritada: ela não sabia o que fazer, pois não queria um filho de 20 e poucos anos, porque era um marido o que ela mais sonhava… Então, ela bolou um plano: deixaria tudo desarrumado até que Pedro percebesse a bagunça e consequentemente ele a ajudaria.

No início, ele não se importou, mas à medida que a casa se tornava lentamente um chiqueiro daqueles de filmes de fazenda, o moço começou a ficar nervoso, nervoso e muito nervoso…A ideia da minha querida amiga foi dando certo aos poucos. Do estado de calamidade pública habitual, a casa foi se tornando um brinco, mas nada de brinco da Vinte e Cinco de Março. O negócio era Swarovski!

O que ela não imaginava é que o marido se tornaria um obsessivo por limpeza de marca maior. Pedro passou a odiar qualquer espécie de sujeira e as eliminava prontamente no maior estilo “caça fantasmas”. Futebol? Ih, pare com isso! Seu passatempo preferido era vassoura, rodo, Veja (olha o jabá!) e um desinfetantezinho para dar aquele cheirinho maravilhoso de casa perfumada.

No primeiro momento, Gisele ficou preocupada com o marido e tentou convencê-lo a procurar ajuda psicológica, mas como o cônjuge achava que não precisava de ajuda porcaria nenhuma, ela passou a se beneficiar do distúrbio. Como? Ah, jura que vocês não imaginam? Ok, eu vou dar uma ajudinha: quem lava a louça? Pedro! Quem arruma a casa inteira? Pedro! Quem odeia ver qualquer coisa fora do lugar e ajeita tudo? Ai, Bruna, está bem, todas já sabem que é o Pedro!

Os anos se passaram e eles conseguiram contratar uma diarista. O garotão não tem mais tanto trabalho, mas de vez em quando, ele ainda assusta as visitas, pedindo que elas tirem os sapatos na porta da sua casa e aparece com a vassoura quando cai algum pedaço de bolo no chão.

 

 Bruna d’Avila e mais seis amigas balzaquianas escrevem para o blog Trinta, e daí? 

Ela é casada com o melhor amigo de adolescência. Geminiana convicta e extremamente curiosa.  Escreve sobre casamento, mesmo com apenas um ano de experiência.

Siga @ObsFeminino  no Twitter e curta a fanpage do Observatório Feminino no Facebook

Leia também:

Pra lá de Bagdá
Pois mães com imaginação muito fértil sofrem mais...
'Aos 18 anos soube que fui concebida a partir de um estupro'

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino