Elas por Elas

Sensibilidade, sexo e a tecnologia que nos afasta

20 de maio de 2015

por Observadora

celular
Existem coisas que a gente pode recuperar e tornar a nossa vida interessante outra vez. Desculpe, mas eu não vou falar de sexo, pelo menos não nesse texto.

Minha única proposta indecente é que a gente possa recuperar um pouquinho da nossa decência sentimental.

Se a velocidade de mover o corpo nos esquenta, a velocidade da informação, certamente, nos torna mais frios. Não dá tempo de perguntar para o outro o que houve, só dá para reclamar do atraso. Escutar problemas dos seus amigos demora muito, mas você pode indicar um terapeuta e encaminhar aquele vídeo divertido pra ver se ele melhora ou te deixa em paz.

Às vezes, a doença e nem mesmo a morte servem de motivos para gerar o mínimo de empatia, parece que vale mais a pena dizer que ficou sem internet do que contar que foi a uma consulta médica.

Ninguém mais quer ser interrompido com um riso alto ou com um choro compulsivo. Notícias de nascimento de bebê e casamento podem ser simplesmente curtidas.

A gente finge que está escutando como foi o dia de alguém e encerra conversas com “te cuida”. O outro que se cuide mesmo, é o único jeito.

Apesar de ser difícil e eu falhar inúmeras vezes, juro que vale a pena tirar os olhos dos umbigos e das telas e cuidar um pouquinho daqueles que você gosta.

Obs: Use essa dica para “apimentar” qualquer relacionamento.

Aroa Khalil é sócia proprietária na empresa Redatoria e já escreveu para o OF textos como “Sou uma desocupada

Imagem: reprodução

Leia também:

"Quando os preparativos da festa de casamento separam os noivos e transformam o 'sim' num 'talv...
Mãe que anda de bicicleta, que faz tarefa, que vai na praia, que joga xadrez, que reclama, que sai, ...
Uma reflexão feminista sobre o Dia do Amigo

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino