Cultura

Cine PE encerra 19ª edição com homenagem a Alceu Valença e exibição de A Luneta do Tempo

9 de maio de 2015

por Ana Karla Gomes

Nesta sexta-feira (8/05), o Cine PE 2015 chegou ao fim com mais um dia de casa cheia e, após a crise da “adolescência”, parece que o festival está reencontrando seu formato e fazendo as pazes com o público. Como de costume, o último dia foi dedicado à entrega do troféu Calunga aos vencedores da mostra competitiva de curtas e longa-metragens, homenagens e, também, à exibição do filme “A Luneta d Tempo”, dirigido por Alceu Valença e que, finalmente, estreou em terras pernambucanas.

Na premiação, destaque para os curta-metragens “Salu e o cavalo marinho”, de Cecília da Fonte, eleito o melhor entre os pernambucanos, e “Até a China”, de Marão. Já nos longas, “Permanência”, primeiro longa-metragem do cineasta pernambucano Leonardo Lacca, estrelado por Irandhir Santos e Rita Carelli, foi escolhido o melhor filme pelo júri técnico, enquanto o popular elegeu “Mãe do Pina”, documentário de Leo Falcão como o grande destaque da mostra. Os premiados foram quase unânimes em dedicar os troféus ao movimento Ocupe Estelita.

Na sequência, foi a vez do Cine PE prestar homenagens à atriz baiana Helena Ignez, ícone do cinema marginal, e o pernambucano Alceu Valença, que fez sua estreia como diretor cinematográfico, em 2014, com “A Luneta do Tempo”, filme que estreou no Festival de Gramado e só chegou a Pernambuco na noite desta sexta-feira. O artista esteve no Cinema São Luiz, junto com familiares e uma boa parte das pessoas que participaram do filme.

“Rever essas pessoas é uma satisfação imensa. Principalmente, nessa ocasião, em que vamos mostrar uma obra que tem linguagem própria. É um cinema feito a partir das nossas histórias do sertão nordestino, dos nossos mitos, ele é filosófico quando fala da morte, é político quando fala de política. Não é um filme sobre Lampião como as pessoas estão acostumadas, é diferente: um Virgulino criado por mim com algumas características preservadas”, disse.

Depois da homenagem a Alceu e sua explanação sobre o filme, foi a vez do público pernambucano conhecê-lo. Com um roteiro, por vezes, desconexo e uma edição irregular,  longa ganha o público pela poesia, musicalidade e uma bela fotografia. O resultado, com erros e acertos, é satisfatório no fim das contas, principalmente, pela originalidade da obra.

Finalizando com uma boa dose de pernambucanidade, o Cine PE parece, finalmente, estar reconquistando a identidade, tão questionada na edição anterior.

Confira os premiados do Festival Cine PE 2015:

Curta-metragem pernambucano
Melhor Filme: Salu e o cavalo marinho, de Cecília da Fonte
Melhor diretor: O poeta americano, de Lírio Ferreira
Júri Popular: Salu e o cavalo marinho, de Cecília da Fonte

Curta-metragem

Melhor Filme: Até a China, de Marão
Juri Popular – Melhor Filme – O segredo da família urso
Melhor atriz: Liz Comerlatto (O segredo da família urso)
Melhor Ator: Vinícius Tardio (Vestibular)
Melhor Trilha-Sonora: Eduardo Braga (Bajado)
Direção de Arte: Dicesar Leandro (O segredo da família urso)
Melhor Edição de Som: Gustavo de Souza (O segredo da família urso)
Melhor Montagem: Cao Guimarães (Palace Hotel)
Melhor Fotografia: Vestibular
Melhor Roteiro: Marão (Até a China)
Melhor Direção: Cíntia Domit Bittar (O segredo da família urso)

Longa-metragem

Melhor Filme: Permanência, de Leonardo Lacca
Júri Popular: Mães do Pina, de Léo Falcão
Melhor Ator: Lázaro Ramos (O vendedor de passados)
Melhor Atriz: Rita Carelli (Permanência)
Melhor Atriz Coadjuvante: Laila Pas (Permanência)
Melhor Ator Coadjuvante: Genésio de Barros (Permanência)
Melhor Trilha-Sonora: O gigantesco ímã – Petrônio
Menção Honrosa: O gigantesco ímã – Petrônio e Tiago Costa
Direção de Arte: Juliano Dornelles (Permanência)
Melhor Montagem: Karen Akerman (Aqui deste lugar)
Melhor Fotografia: Leonardo Simões e Pedro Costa (Cavalo DInheiro)
Melhor Roteiro: Leonardo Simões e Pedro Costa (Cavalo DInheiro)
Melhor Direção: Pedro Costa (Cavalo Dinheiro)

Calunga de Ouro
Helena Inez
Alceu Valença
Prêmio de Curta-Metragem do Canal Brasil
Melhor Filme – Bajado, de Marcelo Pinheiro

Prêmio Associação Brasileira de Cinema (Abracine)
Melhor Curta-Metragem: Xirê, de Marcelo Pinheiro
Melhor Longa-Metragem: Cavalo dinheiro, Pedro Costa
Menção Honrosa: O poeta americano, de Lírio Ferreira

Troféu Cineclubista – Prêmio da Federação Pernambucana de Cineclubes (Fepec):
Melhor Filme Para Reflexão: Bajado, de Marcelo Pinheiro

Menções Honrosas: Vestibular, de Toti Loureiro e Ruy Prado, História natural, de Júlio Cavani e Salu e o cavalo marinho, de Cecília da Fonte


17437715632_ee30052bcc_z (570x380)
16818940444_bf1807cc03_z (570x380)
17439388932_c22de4b49f_z (570x380)

Imagens: Dani Nader/Divulgação
Observe também: Cine PE estreia com o pé direito lotando o Cinema São Luiz

Siga o OF no Twitter e no Instagram e curta a nossa página no Facebook

Leia também:

"A liberdade de agir sem culpa" é questão forte na noite do OF em homenagem à mulher
#OF Promove: Debate sobre a Liberdade de Imprensa
A Grande Aposta, com Christian Bale e Brad Pitt, acerta na condução de um roteiro ritmado e cheio de...

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino