Comportamento Social

Etiqueta à mesa: dicas rápidas que vão além do clássico “sempre, às vezes e nunca”

16 de agosto de 2016

por Estevão Soares

As regras de etiqueta à mesa evoluíram, acompanhando um movimento natural de mudança de hábitos da sociedade. A educação à mesa fala muito sobre uma pessoa e, às vezes, detalhes podem fazer você escorregar. Alguns pontos continuam imutáveis e outras regrinhas surgiram, mas, tudo sempre para facilitar a vida das pessoas e desenvolver um convívio mais civilizado entre os presentes à mesa.

etiqueta 2

O que não mudou? Bom, ao sentar e deparar-se com guardanapo de pano, coloque-o sobre o colo. Mas, atenção: você não precisa cobrir o seu como se estivesse com um minicobertor. Na forma retangular, coloque-o sobre o colo, pois além de mais discreto, evita também que ele fique caindo ao chão direto. Feito isso, é hora de começar a comer. Quanto aos talheres, aquela historinha do “de fora para dentro” ainda continua valendo, principalmente quando o prato for uma salada. Do contrário, descarte esse quesito e parta para os outros talheres ou até o uso da mão se necessário, dependendo do que irá comer (falaremos sobre comidas sem talheres em um próximo post, fiquem atentos).

etiqueta 1

Antes de começar a comer, espere que o anfitrião ou a pessoa que o convidou inicie os trabalhos, a não ser que na mesa hajam mais de três pessoas e os pratos estejam sendo servidos aleatoriamente e aos poucos. Nesse caso, não há necessidade de espera. Outro ponto importante é quanto ao celular. Esse nosso aparelhinho inseparável e que tanto nos ajuda deve ficar no silencioso e longe das nossas vistas na hora da mesa. Atender ao telefone jamais. Agora, se o caso for de vida ou morte e atender o seu for inevitável, assim o faça pedindo licença e levantando-se da mesa para falar longe dela. Mesmo assim, não demore uma eternidade.

etiqueta 3

As dicas, como mencionei na chamada, vão além do clássico sempre (os punhos encostados à mesa), às vezes ( a parte de trás dos braços encostados e as mãos ao ar) e nunca (cotovelos à mesa), porém, isso não quer dizer que eles estão extintos. Muito pelo contrário,  fazem parte da sua “coreografia” à mesa. Não esqueça disto. Por fim, os trabalhos à mesa terminam quando o anfitrião coloca o guardanapo à mesa.

Imagens: Reprodução

Siga o OF no Twitter e no Instagram e curta a nossa página no Facebook 

 

Leia também:

Casamento: conheça a origem dos convites e saiba como não errar na hora de convidar
Como integrar os filhos de diferentes casamentos
Você não é mãe dele

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino