Comportamento Social

A meta é ser feliz

4 de outubro de 2017

por Observador

Palavra da Editora

Após mais uma história trágica, penso sobre o real sentido da existência e as maneiras possíveis de viver distante do que nos faz transitar apenas na materialidade. Ainda atônita com o ocorrido em Vegas, no último domingo, sinto urgência em experimentar dias melhores e construir uma jornada coletivamente plena, já que somos todos visitantes deste tempo, deste espaço.

‘A vida é um sopro’, já nos lembra o velho ditado. Por isso, o sincero texto do psicanalista Eduardo Freire, especialista em Felicidade, é uma leitura necessária. Em tempos onde sair de casa não é mesmo garantia de retorno, é precioso resgatar o senso de bem-estar íntimo, investir na oferta de bons sentimentos de forma permanente e sentir gratidão por tudo que se tem, pelo mínimo que pareça ser. Carpe Diem!

Por Eduardo Freire

Muitos impõem metas a si mesmo, como perder peso, comprar um carro novo ou viajar, entre tantas outras, na esperança da tão desejada felicidade.

Ser feliz é um estado de espírito, e nós temos que nos conhecer aprendendo a sentir a alegria de sermos nós mesmos, sempre nos reeducando a gostar da nossa companhia , a rir das coisas loucas que encontramos no dia a dia, olhando a situação do cotidiano sempre com um humor saudável.

A felicidade trabalhada no seu interior é sempre permanente, diferente das alegrias que sentimos com as realizações e acontecimentos exteriores, pois são momentâneos. Sei que não é tarefa fácil, mas ficar na retaguarda, sempre achando que falta algo, que se fosse diferente seria melhor, em nada vai melhorar nosso viver. Às vezes, só o que falta é um olhar amoroso para conosco, numa perspectiva otimista.

Esse aprendizado deverá ter início ainda na infância, cabendo as os pais e educadores ensinar às crianças o exercício da felicidade, para que cheguem à adolescência com o sentimento de que não são as coisas materiais e exteriores que irão garantir a nossa felicidade. Essa concepção de vida dificultará e muito o refúgio nas drogas e bebidas alcoólicas.

O gerador da sua alegria vai ser você mesmo.

A felicidade é contagiante. Quão agradável é estar na companhia de quem sabe ser feliz, pois ama a si mesmo, possui autoestima, é segura de si, transmite energia positiva, é sincera, simpática, naturalmente sensual e impõe respeito. Pessoas assim são tidas como ótimas companheiras e conselheiras, tudo resultado do encontro da alegria pelo fato de, simplesmente, estar viva.

Quem não será feliz se tiver como meta ser feliz consigo mesmo?

Eduardo Freire | Psicanalista e Especialista em Felicidade

 

 

Leia também:

Inteligência Financeira: o dilema entre economizar e gastar
De mãe 'culpada' à mãe feliz
E se seu filho fosse policial?

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino