Variedades

Ariano Suassuna arrodeia o céu

23 de julho de 2014

por Talita Corrêa

 

Digam logo que é mentira. Desdigam essa bestagem de que a notícia é de verdade verdadeira, que houve morte morrida. Falem, aí, que num tem literatura se acabando em choro, num tem caba macho das letras se arriando ao contrário pro meio céu.

Oxe. Avisem que ele é pai de Chicó, que brinca de morrer, morre, desmorre e ressucita com a gaita de João Grilo… Depois corre pra dançar. Dançar com as palavras

Chamem a Compadecida para dar colo ao nosso susto. “Mainha, a gente não quer ser filho de um mundo sem o talento monstruoso de um homi assim”.

Cabô o pantim. Cabô o aperreio. Nosso mestre não deu pinote. A vida nao foi pirangueira nos seus 32 mil dias de reinação.

Foi tudo graça pra nos fazer Severino de besta. Foi fuleragem, foi gaiatice. E deixem um cotôco de esperança pra gente soluçar.

Toquem o clarim. Tenham misericórdia do nosso egoísmo. Manguem da gente, que a gente quase acreditou. Os gênios jamais morrem.

Ave Maria. Ave José. Que cordel triste se fez hoje. Chora a cachorrinha. Chora a mulher do padeiro. Chora quem arrastou com ele um sotaque tão nordestino e um tão nordestino coração. Chora o Movimento Amorial. Chora de novo a mulher chorona do padeiro. Chora seu Manoel, chora Rosinha, chora o gatilho do cangaceiro.  Chora, quietinha, a Academia Brasileira de Letras. Choram os livros. Choram os palcos. Choram até os grilos, seus homenageados.

O céu, meu pai, faz zuada, sorri feliz e se enche de causos. De palhaços, da mulher vestida de sol. Se enche das  harpas de Sião e dos homens de barro. Se enche de amor. De humor. O céu inteiro espera. Se prepara. Corre. Transpira nossa agonia. E sua… ssuna.

O santo. A porca.

O homem da vaca.

O príncipe de Sangue.

A Caseira. A Catarina

Fernando e Isaura.

A onça Caetana.

Nas conchambranças de Quaderna… Se danam a rir e a chorar.

Corta.

No último do penúltimo ato, o paraibano-pernambucano abre o olho pra reclamar: “Deixem agorinha de frescura.  Eu sou eterno quando lido, e lido bem com isso.  Esse negócio de eternidade deve cansar”.

Mas a gente segue precipitado, abuticado… E os zoinho dele voltam a fechar.

Corta.

“João! João! Morreu! Ai meu Deus, morreu pobre de João Grilo! Tão amarelo, tão safado e morrer assim! Que é que eu faço no mundo sem João? João! João! Não tem mais jeito, João Grilo morreu. Acabou-se o Grilo mais inteligente do mundo. Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca de nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo morre. Que posso fazer agora?”.

Que posso fazer agora?

Que posso sentir agora?

Que posso dizer agora?

Que posso contar agora se não dessa orfandade que hoje quase me pariu?

…Não sei. Só sei que foi assim.

 

Imagem: reprodução

Siga o OF no Twitter e no Instagram e curta a nossa página no Facebook 

 

Leia também:

O Desapego à Vaidade, por Silvia Poppovic
Eu tenho medo da Copa
Violência contra a mulher é foco das comissões de Segurança Cidadã em Jaboatão

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino