Variedades

Para todos aqueles que já choraram escondido no banheiro da empresa

27 de julho de 2016

por Observadora

Sete da manhã de um dia de semana qualquer de alguns anos atrás. Era mais uma manhã normal e eu estava me preparando para trabalhar. Tomei meu café da manhã e fui tomar banho. Saio do box para me secar e fito os olhos na bancada da pia, como geralmente fazemos sem perceber. Vejo uma embalagem de shampoo e tento ler o que está escrito, não consigo.

Eu não consigo entender o que aconteceu comigo repentinamente, chego a me apavorar. De um segundo para o outro eu havia perdido a capacidade de ler, era como se não fosse alfabetizada. O desespero piora e eu chamo meu marido, vou pra cama e tento olhar pro celular pra ligar pra minha mãe. Os números não fazem sentido, não entendo nada do que vejo e a partir daquele minuto temo que algo pior aconteça comigo. Perder minhas faculdades mentais e autonomia é algo que me assusta muito.

Tento me acalmar, ainda deitada. Meu marido avisa que não vou trabalhar naquele dia. Alguns minutos se passam e eu volto aos poucos a conseguir ler. Resisto, teimosamente, e não vou ao hospital, mas consigo uma consulta com uma neurologista para o mesmo dia.

Aquela semana eu estava extremamente estressada com o meu trabalho, porque durante meses eu era desrespeitada todos os dias. Era um ambiente instável e do dia para noite tudo mudava. Eu tinha um cargo e um salário bom, mas eu já não suportava mais viver com medo do que aconteceria no minuto seguinte, que podia ser desde refazer um trabalho todo, até precisar fazer as malas e viajar sem nenhum tempo para me planejar – e pasmem, nem pra sacar dinheiro.

No consultório, conto para a médica tudo o que estava vivendo e ela, de uma forma humana e incrível, me diz que já passou por algo parecido e que eu precisava rever a minha vida profissional. Aquele estresse poderia me levar a situações piores. O que eu tive não foi grave e foi passageiro, mas indicou um grau alto de estresse e ela me deu dez dias de licença. É lógico que do outro lado, na empresa, certamente achariam que era frescura de minha parte.

Durante dez dias eu pensei sobre minha vida e o que faria dela, mas ao mesmo tempo assisti cada minuto voar pensando na quantidade de trabalho acumulado que me esperaria e ainda sentia medo de ser demitida depois do ocorrido.

Voltei ao trabalho e tentei ficar mais calma, passei a dizer mais nãos, mesmo sabendo que eles acarretariam resultados ruins. Passei a impor um pouco mais de respeito, a delegar mais. Mas eu só podia ir até certo ponto, porque o risco de me comportar assim era imenso. Eu era apenas uma contratada daquele lugar e estava sujeita a regras, respondia a um diretor que me cobrava muito.

Nas semanas anteriores ao fato eu me lembro sobre quantas vezes eu fui ao banheiro da empresa chorar escondida. Era preciso chorar baixinho, enxugar as lágrimas rápido e tratar de não sair da cabine com o rosto vermelho e de não demorar muito. Algumas vezes alguém me viu e até fui consolada, a verdade é que muitos estavam no mesmo barco. Em uma dessas vezes eu ouvi de alguém com um importante cargo que eu não era a única a sofrer e que chorar no banheiro ou se sentir frustrado e inseguro era algo frequente no mundo laboral.

Entornos de trabalho ruins podem estragar a saúde das pessoas. O estresse que eu vivia me afetava de diversas formas, uma delas se refletia na minha mandíbula. Eu tenho um probleminha na articulação temporomandibular, conhecido popularmente como bruxismo, ou seja, eu ranjo os dentes à noite, o que pode provocar desgaste, dor e até quebrar um dente. Geralmente, quando estou ansiosa ou nervosa costumo ranger ainda mais ao dormir. Mas o nível a que cheguei quando estava naquela empresa foi assustador. Eu rangia muito forte e cheguei a quebrar um dente em determinada noite e  lembro que quando tirei uns dias de férias e fui para a praia, curti dias terríveis com muita dor, que não passava nem com remédio forte receitado por meu cunhado, que é médico. Eu assisti as pessoas se divertindo felizes naqueles dias de sol, enquanto eu ficava na cama com muita dor. Acredite, o meu estado mental de estresse estava influenciando fortemente o que eu sentia e em vez de curtir o passeio eu só conseguia pensar nos minutos que faltavam para que eu precisasse voltar a trabalhar naquele lugar.

Sempre que comento por aí sobre insatisfações com empregos, percebo muita gente passando pelo mesmo. Ultimamente tenho me perguntado com frequência o que tem acontecido com o mercado de trabalho, com os gestores, com os colaboradores desses lugares.

É lógico, eu não vou generalizar, há lugares bons e pessoas satisfeitas sim, mas ao entender que do outro lado existe muita gente incompreendida, na função errada, sendo menosprezado, fica evidente que há algo de muito errado acontecendo.

Quando comecei a impor mais respeito sobre mim eu até consegui, de fato, ser um pouco mais respeitada. Mas infelizmente o problema vinha do lugar e eu não conseguiria mudar muito. O resultado? Alguns meses depois eu fui demitida. Na hora doeu, mas em seguida foi uma bênção, porque meu tempo ali havia acabado.

Hoje eu agradeço o favor que me fizeram ao me dar um pé na bunda, porque era o combustível que eu precisava pra tratar de ver o mundo de outro jeito e procurar novas formas de trabalhar. Mas eu entendo que atrair uma demissão ou pedir pra sair não é uma escolha frequente, ainda mais em tempos de instabilidade econômica. Infelizmente, a grande maioria das pessoas não  pode se dar ao luxo de fazer isso, elas dependem daquele trabalho para viver. É claro que eu também precisava dele, mas ao entender que estava criando uma doença pior dentro de mim, aceitei que o melhor seria ficar longe dali.

Hoje, há alguns anos livre do que vivi e feliz com meu trabalho atual, consigo enxergar alguns fatores, que talvez ajudem quem está passando por esse problema.

Todo mundo tem problemas

Pode não parecer, mas acredite, todo mundo tem problemas e dias ruins. Todo mundo já passou por uma bronca de um chefe que o colocou lá no chão. Muitos profissionais já aceitaram fazer coisas sem ter a mínima ideia de como as fariam. Muitos já choraram no banheiro escondido. E quase todos já foram trabalhar desejando estar em casa quando estavam com um filho doente ou preocupados com um parente em estado terminal num hospital. A verdade é que todo mundo tem problemas, mas algumas pessoas conseguem aparentar que tudo está bem sempre. Aliás, é o que a vida nos pede o tempo todo, né? Não se cobre tanto.

Há pessoas que vendem a alma, você é uma delas?

Se tem algo que aprendi é que existem pessoas que são capazes de qualquer coisa. Elas podem criar altas cenas, mentir, se apropriar, levar crédito indevido, criar picuinhas. Elas passam por cima do que for preciso para alcançar o que desejam. Elas têm vida longa, porque são extremamente flexíveis e bajulam quem sabem ser a pessoa certa para tal. São capazes de se comunicar com olhares, podem ser extremamente más, mas ao ponto de quase ninguém perceber. Apenas os muito sensíveis percebem. Quantas vezes isso aconteceu comigo? Muitas. E eu sempre me sentia a neurótica, assistindo o vilão agindo sem ninguém perceber. Era quase como assistir a uma novela e se perguntar porque é que a mocinha não percebia que estava diante de um crápula.

Se você tem um líder, agradeça

Assim que eu tive um chefe líder eu entendi o que era ser líder. Ele não queria saber o que eu estava fazendo, ele confiava em mim porque me dava metas. Ele me deixava crescer, não me abafava, me ensinava muitas coisas. Antes dele eu só havia tido um chefe, daqueles que não  deixam nem olhar pro lado, que me perguntava até sobre o motivo de ter me visto conversando com alguém de outra área no café. Então, saiba que ter um líder faz toda diferença. Eu tive um e o agradeço até hoje, somos amigos agora. Se você é um gestor, procure ser um líder também, não um chefe. As pessoas estão sufocadas por gente ruim comandando, não seja mais um.

Nenhum trabalho é sempre um mar de rosas

Não importa o quanto você ame seu trabalho, sempre há coisas que não gostamos, sempre. Encare essas coisas como algo que faz parte, mas que logo algo mais bacana virá. Faça sempre seu melhor, encontre alternativas, busque inovar. Mas se realmente aquele trabalho for mais um fardo do que qualquer outra coisa, mexa-se, você não é uma árvore.

Elogie mais e diga bom dia

Quantas vezes nós mesmos somos responsáveis pelo dia ruim de um trabalhador. Isso acontece quando você dá uma de pedante e não pega o folheto que lhe dão no semáforo. Quando você vê um gari e passa por ele como se não existisse. Quando julga pessoas pela aparência. Quando deixa de entender que às vezes, um rosto triste ou desanimado num balcão de atendimento não são propositais, daquele outro lado pode existir um profissional passando por grandes problemas. Experimente elogiar sinceramente e dizer bom dia, faça o dia de alguém melhor.

Aprenda a dizer alguns nãos e a delegar

Quantas vezes assumimos tarefas que não são nossas, mas que fazemos por acreditar que será melhor do que pedir pra alguém? Aprenda a focar-se no seu trabalho e a delegar o que não é sua tarefa. É claro que em alguns momentos acabamos fazendo o que não é nossa missão, mas isso não deve acontecer todo dia.

Entenda que entornos não são quem você é

Busque resgatar quem você é lá no fundo e entenda que entornos não são para sempre. Se você convive com gente má, chata, difícil de lidar, em ambientes cheios de picuinhas e problemas, busque ignorar o máximo que puder. Lembre também que colegas de trabalho, na maioria das vezes são só colegas de trabalho, evite contar detalhes de sua vida, evite gerar provas contra você. Por mais difícil que seja o seu entorno, se você não puder se livrar dele agora, centre-se para fazer o melhor trabalho que puder, mas se estiver afetando sua saúde e realmente for impossível, comece a mexer os pauzinhos desde já para conseguir outra oportunidade. Nem sempre ela será óbvia, nem sempre terá o mesmo nome de cargo e às vezes vai lhe pagar menos do que gostaria. Cabe a você entender o equilíbrio entre trabalho e saúde e fazer suas escolhas. Lembre sempre que nenhum CNPJ vale um AVC.

Se você é um dono de negócio, gestor, busque promover um ambiente melhor para seus funcionários. Não seja mais um carrasco.

A vida é feita de momentos e, felizmente, o bom e o ruim não duram para sempre. É bom saber também que como o mundo dá voltas, você pode topar amanhã com alguém que maltratou hoje. E esse alguém pode vir a ser um concorrente ou o seu próximo chefe.

 

 

Flavia Gamonar é professora doutoranda em Mídia e Tecnologia / Especialista em Marketing de Conteúdo / Pesquisadora / Palestrante.

Leia também:

Debater é preciso: a polêmica da sucessão ao governo estadual de Pernambuco
Mulheres grafiteiras: conheça a arte urbana das Minas de Minas
'Uma Política Social Preventiva inclui a educação e a geração de emprego'

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino