Variedades

Um bom líder precisa de CHA!

2 de julho de 2014

por Observadora

Uns já passaram por esse momento, outros ainda passam, muitos já ouviram falar e muitos vivem esse momento, mas não sabem que teêm esse nome. Vou esclarecer…

O “Comando e Controle”, mais conhecido como C², foi criado na época militar, mais precisamente na Guerra Fria (início em 1945) para direcionar e coordenar pessoas subordinadas. Os responsáveis pelas tropas se reuniam para decidir estratégias e rotas, e passavam as ordens para seus subordinados, que executavam o plano, sem questionar.

Esse modelo de gestão, infelizmente, foi levado em 1950 para as indústrias como um framework. O modelo consistia em ter um chefe (pessoa responsável em planejar e distribuir as tarefas) e uma equipe formada por meros executadores de tarefas. Os executores sempre faziam o mesmo trabalho, dentro da carga horária estipulada pela indústria, sem contestar o que era mandado pelo seu chefe. Basicamente, o chefe mandava e o operário executava.

Os estudos avançaram, a sociedade evoluiu e hoje temos “operários” especializados em trabalhos diferentes, com participação em todo o processo de criação de um produto.

Mas há algo que não evoluiu durante todos os anos… O CHEFE!

Se formos pesquisar num dicionário o significado da palavra “chefe” *, vamos encontrar:

? Chefe é aquele cara que ferra com a vida de todo mundo;

? Comandante de uma tribo indígena responsável por toda a comunidade;

? Pessoa com grande poder dentro de uma empresa.

Todas as definições acima nos remetem ao comando e controle, ao poder.

Mas por que os chefes possuem esse tipo de comportamento?

O motivo é simples… Se a empresa não desenvolve uma pessoa para ocupar um cargo de liderança é porque ela não se preocupa com as pessoas, apenas com resultados. Na maioria das vezes, a empresa quer apenas uma pessoa que tenha voz de comando para cobrar o trabalho.

Quando não preparamos uma pessoa para ocupar um cargo de liderança, ela segue o instinto padrão, repassa as ordens recebidas para os seus subordinados e cobra resultados. Esse comportamento repetido várias vezes faz com que a pessoa entre numa zona de conforto e aí surge o CHEFE!

Uma pessoa que se torna chefe seguindo esse caminho, dificilmente se tornará um líder, pois no modelo mental que ele desenvolveu, seus subordinados servem ao chefe e não o chefe serve aos seus subordinados.

Então, quais são as características de um líder*?

? O verdadeiro líder é aquele que consegue influenciar fortemente outras pessoas à ação, sem o uso da força ou do medo;

? Tem sua base na atitude pessoal, na competência e no carisma, levando os demais a admirar, respeitar, seguir e defender o líder e suas idéias;

? Pessoa vista pelo exemplo e não pelo status, cargo, poder ou autoridade que possui;

? Ser líder é  reconhecer os  pontos fracos dos seus comandados e saber os pontos fortes;

? Um líder sabe que sozinho não conseguirá realizar uma conquista, e saberá dividir as glórias e honras com sua equipe.

“Beleza, Annelise… Mas como desenvolvemos uma pessoa para ser líder?”.

A resposta é CHA! Não o chá que você bebe (seria ótimo existisse uma dose instantânea que, num gole, fizesse o chefe vir um super líder). Mas nós sabemos que não é tão fácil.

O CHA que eu falo nada mais é que um conjunto de competências como:

? Conhecimento ( ter o saber );

? Habilidade (saber fazer );

? Atitude (querer fazer).

O processo para se desenvolver um líder é lento, pois precisa de foco e mudança, tanto da pessoa que vai liderar, quanto do profissional que vai prepará-la para ocupar essa função.

Um líder precisa ser antes de tudo humano, carismático e querido. Uma pessoa a ser seguida, uma pessoa de confiança. Precisa envolver os outros, ouví-los, agir em prol de um bom ambiente de trabalho. Precisa ter visão, saber reconhecer possíveis problemas que podem ocorrer e como agir. Tem que ser determinado, focado em seu trabalho e no trabalho em equipe. Além de ser criativo e inovador para trazer novas abordagens e soluções.

Todas essas características fazem uma pessoa ser um líder e todas elas podem ser desenvolvidas, basta trabalhar para alcançar tal objetivo.

Então, meus amigos leitores,  revoltados com o “Comando e Controle”, como eu: enquanto tivermos vida, há esperança. Podemos melhorar o nosso futuro, basta dedicarmos tempo e estudo ao objetivo que queremos atingir. Quero mais líderes e menos chefes no mundo!

Annelise Gripp é Coach no Rio de Janeiro e escreve sobre o assunto em um blog: “O Coaching é um conjunto de procedimentos utilizados para alcançar seus objetivos pessoais e profissionais. É um processo que envolve o Coach (profissional que conhece o processo e orienta) e o(a) Coachee (pessoa que deseja atingir as metas). O Coach possui ferramentas, que quando aplicadas com o Coachee, auxilia na definição dos passos para se chegar onde deseja.

Logo, o Coaching não é terapia. Mas é terapêutico! Pode ser usado em todos os momentos de sua vida, sejam eles relacionados ao mundo corporativo ou a sua vida pessoal, pois trabalhamos valores, crenças, oportunidades, ameaças e impedimentos. A essência do Coaching é fazer com que naquele momento da sessão, o(a) Coachee pare e pense em seus conhecimentos, habilidades e atitudes que tem hoje e quais ele(a) precisa ter para alcançar o que almeja”.

* Fonte: www.dicionarioinformal.com.br

  Imagem: reprodução

Observe mais…

Home office é cada vez mais comum: conheça os lados negativos e positivos de se trabalhar em casa

Siga @ObsFeminino  no Twitter e curta a fanpage do Observatório Feminino no Facebook

 

 

Leia também:

Pela primeira vez, Controladoria de Jaboatão será comandada por um servidor de carreira, a auditora...
Inspiração: Erik Armiliato superou o câncer e recebeu título de mister
Por mais diversidade e empoderamento feminino e menos sonhos de princesa

Pesquisar

Perfil

  • Ana Karla Gomes

    Editora Chefe

  • Rose Blanc

    Relações Públicas

  • Talita Corrêa

    Editora-Assistente

  • Estevão Soares

    Colunista

Arquivo

Assine nossa news e receba tudo em primeira mão

Observatório Feminino